WebRadio

Central de Mídia

Serpentes à beira do caminho


Gostou? Compartilhe!

TEMPO DE REFLETIR 2133 – 3 de novembro de 2019

Mateus 23:33: “Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno?”

Chamar alguém de “serpente”, especialmente de “cascavel” ou “jararaca”, é sempre uma ofensa. No entanto, mesmo as cascavéis podem nos ensinar uma interessante lição.

Ao lutarem entre si, evitam picar-se mutuamente, pois não são imunes ao seu veneno e podem morrer. Sua luta consiste em tentar empurrar a rival para trás, sobre si mesma. As duas adversárias se encaram de frente, erguendo um terço de seu corpo acima do chão, bamboleando e se entrelaçando, uma forçando a outra como num braço-de-ferro. A mais forte derruba a adversária e a imobiliza com o peso de seu corpo por alguns segundos, e então a perdedora vai embora, sem ter sido picada.

Até as cascavéis, portanto, têm o seu código de honra e evitam matar-se. O homem, porém, criado um pouco menor do que os anjos é capaz de assassinar o semelhante. Quando permite que a ira o domine, pode agredir alguém fisicamente ou com palavras que destilam peçonha mortal, tornando-se não apenas inferior aos anjos, mas também aos animais.

A Palavra de Deus compara alguns tipos humanos a animais. Cristo certa vez Se referiu a Herodes como sendo uma raposa (Lc 13:31, 32). Chamou os escribas e fariseus de “raça de víboras”, repetindo os termos de João Batista (Mt 3:7; 23:33). Em outra ocasião, disse aos discípulos que os estava enviando “como ovelhas para o meio de lobos”. E recomendou-lhes que fossem “prudentes como as serpentes e símplices como as pombas” (Mt 10:16). O próprio Cristo é comparado a um cordeiro (Is 53:7), e também a um leão (Ap 5:5).

Ao proferir as bênçãos proféticas sobre seus filhos, Jacó disse que Dã seria uma “serpente junto ao caminho” (Gn 49:17), indicando que essa tribo seria traiçoeira e astuta.

Em nosso jornadear para o reino de Deus encontraremos serpentes à beira do caminho, que tentarão amedrontar-nos, desviar-nos, fazer-nos desistir ou ferir-nos traiçoeiramente. Essas serpentes, sejam elas heresias, más companhias, drogas ou mundanismo em todas as suas formas, são todas filhas da “antiga serpente, que se chama diabo e Satanás” (Ap 12:9). É preciso ter cuidado, mas se formos picados, há um antídoto eficaz:

“Os que foram picados por aquela velha serpente, o diabo, são convidados a olhar e viver […] Olhai tão-somente a Jesus como vossa justiça e sacrifício. Ao serdes justificados pela fé, a mortal picada da serpente será curada” (Filhos e Filhas de Deus, p. 222).

Reflita sobre isso no dia de hoje e ore comigo agora:

Obrigado, Pai, porque em Jesus Cristo temos a certeza da cura, do antídoto contra o veneno do pecado. Por favor, que eu e meus ouvintes, Pai, possamos permanecer ao Teu lado, tendo como exemplo único e perfeito a Jesus Cristo. E em nome dEle que pedimos, amém!


-> Narração: Amilton Menezes


Saiba como receber as mensagens diárias do Tempo de Refletir:

-> No celular, instale o aplicativo MANAH para Android e iOS

-> Para ver/ouvir no YouTube, inscreva-se neste Canal: youtube.com/AmiltonMenezes7

-> Para receber pelo WhatsApp, adicione 41 99507 0705 e mande um recadinho pedindo os áudios.

-> Instagram: @amiltonmenezes7

-> Twitter: @AmiltonMenezes

-> Facebook: facebook.com/AmiltonMenezes

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook