WebRadio

Central de Mídia - WebRádio Maranatha

Perseguição de 1.260 anos


Gostou? Compartilhe!

ENCONTRO COM AS PROFECIAS 243

O capítulo do Apocalipse que estamos estudando é o número 12, um dos mais importantes do livro. Ele encerra a etapa histórica do Apocalipse e inicia a fase escatológica do livro.

Vimos no estudo anterior que o alvo inicial do dragão ou Satanás foi atacar a Jesus Cristo e a obra que Ele fazia. Fisicamente, o diabo não conseguiu muita coisa, porém, realizou um grande estrago na igreja cristã, com o passar dos séculos.

Vamos ler o verso 12 – “E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus, para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias”.

A Bíblia diz que “o dragão perseguiu a mulher que dera a luz o filho varão” (Apocalipse 12:13). O dragão não desiste dos seus intentos. Como não conseguiu destruir o filho da mulher, agora dirige ela, no caso, a igreja cristã.

A profecia diz que a mulher ou a igreja não perseguiria, mas seria perseguida. Atente para este detalhe.  Qual é a igreja que a história registra que perseguiu pessoas que não pensavam da mesma forma que seus líderes? Não foi a fiel igreja de Deus.

Por causa dessa perseguição, a igreja cristã precisou fugir para o deserto por um período de 1.260 dias. Como você sabe, em profecia cada dia equivale um ano (Ezequiel 4:6-7; Números 14:34), isso significa 1.260 anos de perseguição, escondida num lugar deserto ou despovoado.

Durante esse tempo de 1260 anos, os cristãos sinceros continuaram a insistir na idéia de que a Bíblia e somente a Bíblia deve ser obedecida. Por causa disso foram cruelmente perseguidos. Os Valdenses, por exemplo, tiveram que se esconder nas cavernas das montanhas para poder sobreviver. A Igreja perseguida fugia e a igreja romana, unida ao estado, perseguia.

A razão de toda essa perseguição era simplesmente porque os cristãos sinceros davam atenção e cumpriam as doutrinas puras e simples da Bíblia Sagrada.

Veja que a igreja perseguida é apresentada no capítulo doze como “vestida de sol”. Qual o significado disso. A Bíblia responde: “Porque o Senhor Deus é Sol e escudo” (Salmo 84:11).

O texto diz ainda que a igreja tem a lua a seus pés. Essa lua não poderia ser a própria palavra de Deus? Salmo 119:105, diz “Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra, e luz para os meus caminhos”.

Voltando a história, esta profecia começou a se cumprir com o edito de Justiniano em 538 de nossa era. “Foi Justiniano quem, depois de derrotar os Ostrogodos, decretou que o bispo de Roma teria preeminência sobre os bispos das outras cidades, pelo fato de que Roma era a capital do Império e dominava o mundo político daqueles dias” (O terceiro Milênio, 1ª.ed., 1998, pg.52)

A partir daí estava aberta a porta para a Igreja Católica de Roma iniciar uma caçada aos chamados hereges. Eram considerados hereges todos os que não obedeciam cegamente às ordens e leis da Igreja. Inclusive foi criada a chamada “Santa Inquisição” para aniquilar com os cristãos que persistiam em seguir a doutrina pura, deixada por Cristo.

O período dos 1.260 anos foi marcado pela morte, separação e intolerância religiosa. A vida estava dependendo do que a pessoa acreditava. Neste tempo, ninguém  tinha chance de viver se pensasse diferente da igreja dominante.
Historicamente esta profecia começou no ano de 538, com o edito de Justiniano e terminou quando a França, na época da revolução francesa, quando quiseram banir de vez toda e qualquer religião. O período de perseguição terminou exatamente “em 1798, quando o General Berthier levou preso o líder da igreja, o papa Pio VI” (idem, p. 52).

Uma das mais lindas histórias do cuidado de Deus por Sua igreja perseguida, aconteceu nas montanhas do noroeste da Itália. Lá viveram os valdenses. Tudo começou com “um homem por nome Pedro Valdo que estudava e pregava as verdades bíblicas por volta de 1170. Os líderes religiosos da igreja que dominava o mundo chamaram as suas crenças de heresias… muitos cristãos dos vales alpinos seguiram os ensinos de Valdo, e assim ficaram conhecidos como os Valdenses” (Heróis de todas as épocas, Virgil E. Robinson, 2ª. Ed. p.10).

Este povo se caracterizou por amar as verdades que estavam na Bíblia. Eles rejeitavam a autoridade da igreja e ensinavam que a única autoridade é a Palavra de Deus. “Eles possuíam a Bíblia em sua própria língua, e faziam cópias manuscritas e partilhavam com outros. Como os Valdenses temessem que a preciosa Bíblia lhes fosse tirada, decoravam partes dela. As próprias crianças eram capazes de repetir de cor livros inteiros da Bíblia” (idem, p. 10 e 11)

O tempo não permite contar aqui das atrocidades que foram cometidas pelas autoridades religiosas contra os valdenses. Sugiro para você a leitura do livro “Heróis de todas as épocas”, da Casa Publicadora Brasileira. O livro conta em detalhes a insanidade de gente que matava e torturava em nome de Deus.

A profecia, como sempre, mais uma vez, foi cumprida.

Amigo ouvinte, creia no Senhor para ficar seguro. Creia nos profetas dEle para prosperar.

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook