WebRadio

Central de Mídia

O sentido da visão


Gostou? Compartilhe!

 

TEMPO DE REFLETIR 1588 – 7 de maio de 2018

“Os olhos são a candeia do corpo. Quando os seus olhos forem bons, igualmente todo o seu corpo estará cheio de luz” (Lucas 11:34).

Há imagens que facilmente ficam retidas na retina e nos trazem satisfação: o peixe cortando a água, o espectro do arco-íris, o pôr do sol vermelho em zarcão, aquela fita branca que o jato deixa no céu, o mar de encontro às rochas, um pássaro de plumagem multicolorida, o céu estrelado de verão.

O olho é chamado de “o órgão imperial do corpo humano”. Do começo ao fim da Bíblia, os olhos são mencionados em relação a muitas coisas: onipresença – “Os olhos do Senhor estão atentos sobre toda a Terra” (2Cr 16:9); cuidado de Deus – “como a menina dos Seus olhos” (Dt 32:10); inspeção divina sobre o funcionamento da igreja: rodas cheias de olhos (Ez 1:18; 10:12); algo repentino – “num abrir e fechar de olhos” (1Co 15:52). E no Sermão do Monte, Jesus diz: “Os olhos são a candeia do corpo” (Lc 11:34).

Não há nenhum outro órgão no corpo humano que se compare em estrutura e adaptabilidade e que tenha mecanismos tão complexos como o olho humano. Temos a pupila com acomodação automática para maior ou menor entrada de luz. Temos a lente com foco e acomodação automática. Posso enxergar perto ou longe ao mesmo tempo. Posso ver a caneta ou o microfone que está na mão e, ao mesmo tempo, olhar para o céu.

O astrônomo ajusta o telescópio até chegar ao ponto exato do espaço; o pesquisador ajusta o microscópio para ver detalhes da imagem. Posso olhar para a montanha que quero escalar e imediatamente, com focalização automática, ver em meu relógio se já é hora de sair. Com razão, Leonardo Da Vinci disse: “Quem acreditaria que um espaço tão pequeno pudesse conter as imagens de todo o Universo?”

Os olhos também têm sua linguagem que não dá para esconder. Os olhos fulminam quando estão indignados; piscam de contentamento; brilham quando estão entusiasmados ou são doces quando mostram simpatia. Permanecem imóveis quando você está com medo; caídos quando você está triste; ou em fogo quando quer vingança. Há ternura nos olhos da criança e dos noivos sobre o altar. Se os olhos dizem uma coisa e a boca diz outra, em qual dos dois você vai acreditar?

Para aqueles que nasceram cegos e nunca chegaram a ver ou para aqueles que sempre tiveram a felicidade de enxergar, a Bíblia tem uma promessa: “Olho nenhum viu […] o que Deus preparou para aqueles que O amam” (1Co 2:9).

Agradeçamos a Deus as maravilhas do sentido da visão.


-> Música: Rafaela Pinho, “Eu verei”
-> Narração: Amilton Menezes


Saiba como receber as mensagens diárias do Tempo de Refletir:

-> No celular, instale o aplicativo MANAH (Android e iOS).

-> Para ver/ouvir no YouTube, inscreva-se neste Canal: YouTube.Com/AmiltonMenezes7

-> Para receber pelo WhatsApp, adicione 41 9893 2056 e mande um recadinho pedindo os áudios.

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook