WebRadio

Central de Mídia

O relógio da consciência


Gostou? Compartilhe!

14-07 TDR 926

TEMPO DE REFLETIR 926 – 14 de julho de 2016

“Mas, ouvindo eles esta resposta e acusados pela própria consciência, foram-se retirando um por um, a começar pelos mais velhos até os últimos, ficando só Jesus e a mulher no meio onde estava” (João 8:39).

Quando os escribas e fariseus fizeram Maria Madalena ficar de pé no meio de todos, não lhes passou pela cabeça o vexame por que posariam poucos minutos depois. “Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante adultério”, acusaram (Jo 8:4). O Mestre, antes de desmascara-los publicamente, usou uma engenhosa estratégia: “Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra” (Jo 8:7). Depois de tê-los encostado na parede, Jesus continuou escrevendo no chão os pecados dos acusadores. O golpe foi certeiro: cada um viu a própria hipocrisia como se fosse uma manchete de primeira página. Foi nesse instante que, “acusados pela própria consciência, foram-se retirando um por um” (verso 9).

Embora acusados pela consciência, os escribas e fariseus não estavam arrependidos. E uma prova é o fato de que, se Jesus não tivesse revelado o comprometimento de cada um deles, não teriam arredado o pé dali.

Cabe aqui uma pergunta: Por que aqueles homens se sentiram acusados? Porque, enquanto Jesus escrevia no chão, houve um período de silêncio para que cada um ouvisse uma voz que fazia muito tempo não era ouvido: a voz da consciência.

O som do relógio da Catedral de São Paulo, em Londres, pode ser ouvido a muitos quilômetros de distância. No entanto, nos momentos de maior movimento nas ruas, avenidas e praças da cidade, a maioria das pessoas não percebe que o potente relógio está tocando. Nossa consciência é como um relógio. Mas nem todas as pessoas ouvem as suas batidas. A vida moderna engendrou muitos abafadores: o ruído dos interesses materiais, a ganância, a competição, a pressa, a falta de devoção. Vivemos agitados, correndo de um lado para outro, e quando o relógio soa, não lhe ouvimos as batidas. O Espírito Santo tem uma voz forte e penetrante, mas é necessário que os ouvidos espirituais estejam desobstruídos. Do contrário, a doce voz do Consolador ficará despercebida.

Conhecemos bem a função dos “sonorizadores” que há nas rodovias, avisando que há lombadas à frente. Aquele ruído, embora desagradável, é um sinal de alerta. Mostra-nos que precisamos reduzir a velocidade do veículo.

Peçamos a Deus que nos faça sensíveis e receptivos à voz da consciência.


-> Música: Som e Louvor, “Ouça Seu chamar”
-> Locução: Amilton Menezes

Para receber pelo WhatsApp, adicione 41 9893-2056 e mande uma mensagem pedindo os áudios. Se você tem Telegram, adicione nosso canal: telegram.me/tempoderefletir

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook