WebRadio Maranatha

O cântico de Moisés


Gostou? Compartilhe!

ENCONTRO COM AS PROFECIAS 251

O livro do Apocalipse é um dos mais belos de toda a Bíblia. Ele apresenta o prêmio que os salvos receberão após passar por todas as dificuldades do desfecho final do grande conflito entre o bem e o mal.

O capítulo quinze começa com a descrição de Deus se levantando e começando o processo de juízos contra aqueles que por toda a vida estiveram contra Ele e Sua Palavra.

Do capítulo quinze até o vinte e dois a atenção do profeta foi dividida. Num momento ele vê o que vai acontecer com os ímpios e, em outro, o que acontecerá com os salvos.

Vamos começar analisando uma das primeiras visões proféticas do que vai acontecer com os salvos. “Vi como que um mar de vidro, mesclado de fogo, e os vencedores da besta, e da sua imagem e do número de seu nome, que se achavam em pé no mar de vidro, tendo harpas de Deus; e entoavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro” (Apocalipse 15:2-3).

Perceba que mais uma vez o profeta se refere ao trono de Deus. Ele vê algo muito bonito e a única coisa que veio à sua mente para descrever foi a imagem do mar, mas não o mar que o rodeava na ilha de Patmos, e sim um mar de vidro. “O vidro tinha no passado mais valor que tem hoje. Aqui representa a aparência clara e cristalina da superfície sobre a qual estava o trono” (C.B.A.S.D. vol.7, p. 784).

Nesse lugar semelhante ao mar de vidro, misturado com fogo, João viu um grupo de vencedores, um grupo que venceu a pressão que a besta e a sua imagem impuseram ao mundo. Deus sempre prestigia e dá valor a quem vence. Os vencedores desse poder paralelo estarão bem perto do trono de Deus. “Este é o povo que respondeu de forma positiva as advertências da mensagem de Apocalipse 14, e a aceitou. Eles foram salvos das dificuldades do mundo e do mal, e agora se encontram seguros no reino de Deus. A vitória foi conseguida através do sangue do Cordeiro (Apocalipse 12:11). Permaneceram fiéis a Deus quando se pronunciou a sentença de pena de morte contra eles (Apocalipse 13:15). Agora se acham a salvo sobre o mar de vidro. A vitória é completa; a luta passou. Venceram, triunfaram, e agora entoam o cântico da vitória no Reino Celestial” (C.B.A.S.D. vol.7, p. 850).

A expressão “estar em pé” significa que são vencedores. Só os que vencem é que ficam em pé. Eles estão diante do trono de Deus e ali não se cansam de cantar. E o que cantam? “E cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo: Grandes e admiráveis são as tuas obras, Senhor Deus, Todo Poderoso! Justos e verdadeiros são os Teus caminhos, ó Rei das nações!” (Apocalipse 15:3).

Esse cântico é uma repetição do que já foi cantado numa das maiores demonstrações do poder de Deus diante do inimigo do povo de Israel, quando este estava saindo do cativeiro egípcio e viajava em direção à terra prometida. Após a travessia do Mar Vermelho, sendo perseguidos pelos egípcios, Deus manifesta-se de maneira grandiosa destruindo o exército inimigo. Como resultado disso, todos cantam um cântico de vitória.

Esse cântico mostrava o poder de Deus em proteger Seu povo e ao mesmo tempo em destruir Seus inimigos (Êxodo 15:1-21). A primeira vez que foi cantado foi para celebrar a vitória de Deus sobre os egípcios. A segunda será para celebrar a vitória de Deus sobre a tirania da grande Babilônia.

“Com o Cordeiro, sobre o monte Sião, tendo harpas de Deus, estão os 144.000 que foram remidos dentre os outros; e ouve-se, como o som de muitas águas e de grande trovão, uma voz de harpistas, que tocavam com as suas harpas. E cantavam um cântico novo diante do trono – cântico que ninguém podia aprender senão os cento e quarenta e quatro mil. É o hino de Moisés e do Cordeiro – hino de livramento. Ninguém, a não ser os 144.000, podem aprender daquele canto, pois é o da sua experiência – e nunca ninguém teve experiência semelhante” (O Grande Conflito. 18ª ed. 1975, p. 646).

“Em todos os tempos os escolhidos do Salvador, foram educados e disciplinados na escola da provação. Seguiram na terra por veredas estreitas; foram purificados na fornalha da aflição. Por amor de Jesus suportaram a oposição, o ódio, a calúnia. Acompanharam-nO através de dolorosos conflitos; suportaram a negação própria – e experimentaram amargas decepções. Pela sua própria experiência dolorosa compreenderam a malignidade do pecado, seu poder, sua culpa, suas desgraças; e para ele olham com aversão… Muito amam, por que muito foram perdoados. Havendo participado do sofrimento de Cristo, estão aptos para serem co-participantes de Sua glória” (idem, p. 647).

Você vai cantar nesse coral? Creia no Senhor Deus para ficar seguro. Creia nos profetas dEle para prosperar.

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook

WebRadio Maranatha