WebRadio

Central de Mídia

O amor jamais acaba?


Gostou? Compartilhe!

18-07 TDR 930

TEMPO DE REFLETIR 930 – 18 de julho de 2016

“O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, […] tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba” (I Coríntios 13:4,7,8).

Carol estava casada havia 25 anos e era feliz. De repente, seu marido Tom a deixou por uma mulher muito mais jovem. A traição a deixou emocionalmente devastada. O filho mais novo do casal planejava se casar dentro de um ano e Carol sonhava ficar em casa apenas com Tom, vendo nisso a chance de renovar o amor. Agora, se perguntava: Por que Tom a deixara, depois de sua dedicação a ele em todos aqueles anos?

Altair estava casado havia 34 anos e seus dois filhos também já haviam constituído um lar. Aposentado, pensava em curtir seu tempo restante de vida com a esposa, viajando e se ocupando com atividades prazerosas a dois. Mas as coisas não aconteceram como ele planejara, pois a esposa o deixou por um homem muito mais jovem.

Tanto Carol como Altair ficaram se perguntando: Como é que o amor acaba dessa maneira? O apóstolo Paulo não diz que o amor jamais acaba?

Ocorre que Paulo, em I Coríntios 13, não está falando do amor conjugal, mas do amor como um princípio moral, que será perpetuado não apenas neste mundo de pecado, mas também na eternidade, pois Deus é amor, e tanto Ele como Seus atributos são eternos. Outros dons espirituais como profecias e a habilidade de falar em línguas desaparecerão, pois foram concedidos para servir a um propósito temporário, como o andaime de um prédio.

Entretanto, o amor genuíno não murcha ou morre como uma folha ou flor (Tg 1:11, 1Pe 1:24). “Quando uma flor produz a sua fragrância e beleza durante as horas ensolaradas do dia, ela serviu ao seu propósito, e o vento frio e a geada a fazem murchar e se desprender da planta. Mas com o amor não é assim. Tanto nos dias exaustivos e tensos, como quando tudo é alegria e descontração, o amor permanece o mesmo, espalhando ao redor seu aroma de confiança, esperança e fé. E é assim que deve ser, pois o amor é o próprio fundamento da lei de Deus, que é eterna. Todo crente deve cultivar esse fruto do Espírito e ter certeza de que não há experiência na vida para a qual o amor não tenha uma solução. (DAS Bible Commentary, v. 6, p. 783).


-> Música: Julio Cezar, “Isto é o amor”
-> Locução: Amilton Menezes

Para receber pelo WhatsApp, adicione 41 9893-2056 e mande uma mensagem pedindo os áudios. Se você tem Telegram, adicione nosso canal: telegram.me/tempoderefletir

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook