WebRadio Maranatha

Não há cura para tua ferida


Gostou? Compartilhe!

ENCONTRO COM AS PROFECIAS 122

Estudaremos agora a ultima profecia feita pelo profeta Naum sobre a grande cidade de Nínive. Ela diz o seguinte: “Não há cura para a tua ferida; a tua chaga é fatal. Todos os que ouvem a notícia a teu respeito batem palmas sobre ti, pois quem não sentiu a tua crueldade sem fim?” (Naum 3:19).

Todo o capítulo três é uma declaração profética sobre a destruição final de Nínive. Os pesquisadores dizem que “os cômoros, que assinalam o antigo local de Nínive, ficam situados à margem oriental do rio Tigre, diante da moderna cidade de Mosul, no norte do Iraque. Nínive tornou-se um centro de culto religioso e de comércio, mas só no ano 704 a.C., é que passou na ser a capital do império assírio.

O palácio de Senaqueribe tinha 9.178 m2. Nas paredes estavam retratados em alto relevo as vitórias e a cobrança de tributos sobre Judá. Nos dia de Senaqueribe foram ampliadas as muralhas da cidade e introduzido um novo sistema de suprimento de água, com canais que vinham desde o rio Gomel. Nínive dispunha de quinze portões, e cada um desses portões era guardado por um touro gigantesco. Em escavações arqueológicas recentes, foi descoberta a maior biblioteca de tabletes em escrita cuneiforme” (Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, vol. 4, p. 506-507).

Naum descreve Nínive como “cidade sanguinária” (cap.3:1). “Nínive era um lugar onde o sangue jorrava livremente e aparentemente sem nenhuma atitude de remorso. Os monumentos assírios abundantemente apresentam como os cativos eram decapitados pelos pés ou mãos para morrer em vagarosa tortura… inscrições reais exibem um grande numero de inimigos mortos, cativos levados para outras regiões, cidades arrasadas, terras devastadas e plantações destruídas” (Estudo sobre os Profetas Menores, vol.1., p. 286).

No verso 14 o profeta recomenda que deveriam tirar e guardar água para o tempo de cerco. No verso 18 Naum anuncia que os pastores e nobres dormem. Perceba que ele está fazendo uma grave acusação contra os líderes civis e religiosos. A cidade estava prestes a cair nas mãos dos inimigos, mas a postura dos líderes era de um sono profundo.

Infelizmente o quadro de hoje é parecido com o descrito por Naum. Muitos líderes dormem diante do perigo e da secularização que atinge comunidades e igrejas. Estão paralisados, impassíveis, diante de comportamentos e atitudes que envergonham o cristianismo.

A profecia que estamos estudando afirma que não haveria cura para a ferida causada pela destruição. “Em 612 AC., os aliados Medos e Neobabilônicos atingiram o objetivo proposto: após uma luta ferrenha a cidade foi conquistada. Nínive foi presa da destruíção. O lugar que durante séculos promoveu expedições de conquista e ocupação, com torturas, terror, deportações em massa e só causara sangue e lágrima através do mundo antigo, finalmente desaparece. Nínive é destruída e queimada. O Oriente Médio respira aliviado” (Estudo sobre os Profetas Menores, vol.1, p. 291).

Deus, em Sua infinita sabedoria, mostrou através de Naum, qual seria a reação dos vizinhos de Nínive. A queda foi considerada como a melhor notícia para as nações próximas que bateram palmas de regozijo pois agora estavam livres da opressão da Assíria. A queda foi o triunfo, a vitória dos oprimidos.

A ferida era incurável, não havia esperança, nem ajuda alguma. Não fizera amizades ou acordos de política externa. Tratou a todos com maldade e perversidade. Ninguém lamentou a derrota. Nínive foi sem deixar saudades.

Amigo ouvinte, você já parou para imaginar o que as pessoas vão pensar a seu respeito depois que você sair do palco da vida? O estilo de vida adotado por você, a forma como você trata as pessoas, como você se relaciona com amigos e estranhos, fará que sintam a sua falta?  Ou todos vão se alegrar com a sua ausência?

Quando Nínive foi destruída, todos os povos vizinhos acharam que já ia tarde. Estavam ansiosos por esse dia. Ninguém se levantou para defendê-la.

O pregador Andrew Robert, após estudar o livro de Naum, sugere: “Vamos, portanto, arrepender-nos de nossos pecados como nação, como família e como indivíduos, e trazer valiosos frutos de arrependimentos” (Estudo sobre os Profetas Menores vol.1 Pg.292).

E ele está certo. Hoje é o dia de cada um fazer uma profunda auto-análise de sua vida. O que há de errado, o que precisa ser confessado? Está tudo certo nos negócios? Está tudo certo no relacionamento familiar? A maneira como estamos tratando os outros está de acordo com o evangelho de Cristo?

Gostaria de deixar ainda mais um lembrete importante: não é o pecado que vai tirar muita gente do céu. O que vai tirar a vida eterna de muita gente é a falta de confissão do mesmo a Jesus. E o pior de todos os pecados é o orgulho. Este mal dominou Lúcifer, Saul, Nabucodonosor, e praticamente todos os moradores de Nínive. Por isso a escritora Ellen White, no livro Profetas e Reis, p.366, deixou a seguinte recomendação: “O orgulho da Assíria e sua queda devem servir como lição objetiva para o tempo do fim”.

Amigo ouvinte, tudo o que foi profetizado a respeito de Nínive, aconteceu. O que permanece até hoje é a Palavra do Senhor. A cidade e os orgulhosos habitantes daquele lugar não existem mais, porém, as advertências e conselhos divinos continuarão para sempre.

Que a arrogância e o orgulho fiquem longe de cada um de nós.

Creia no Senhor Deus e você estará seguro. Creia nos profetas dEle e você prosperará.

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook

WebRadio Maranatha