WebRadio

Central de Mídia

Harpas nos salgueiros


Gostou? Compartilhe!

TEMPO DE REFLETIR 1747 – 13 de outubro de 2018

“Às margens dos rios de Babilônia, nós nos assentávamos e chorávamos, lembrando-nos de Sião. Nos salgueiros que lá havia, pendurávamos as nossas harpas” (Salmo 137:1,2).

O contexto deste salmo é o exílio babilônico. Da antiga glória restará apenas devastação. Ecos distantes relembravam em lamento nostálgicos os dias do passado, quando Jerusalém fora escolhida pelo Senhor para o lugar de Sua habitação. Sião é o nome poético de Jerusalém, da qual nada sobrara, senão um imenso vazio. Junto às águas de Babilônia, o país do cativeiro, os israelitas se assentavam e choravam.

Para esses israelitas, o pranto era mais que uma saudosa lembrança; ele expressava a tragédia do ideal perdido. Os vitoriosos babilônios, indiferentes ou cínicos, abriam ainda mais a ferida. “Ouvimos que vocês israelitas são bons cantores”, diziam com escárnio. “Celebrem para nós a majestade e a proteção do seu Deus”. Mas os desolados e confusos exilados haviam pendurado suas harpas, e apenas conseguiam expressar uma queixa fúnebre: “Como entoaremos o cântico do Senhor em terra estranha?” (v.4). Eles se recusaram a cantar, e as harpas permaneceram mudas. Perderam, contudo, uma oportunidade de testemunhar. Cantando, teriam demonstrado aos opressores que nem tudo estava perdido. Deus não fora conquistado. A última palavra ainda não fora dita.

Está você vivendo no “país distante” das derrotas, apertado por nostalgias? Os israelitas poderiam ter demonstrado que a presença de Deus não está limitada por geografia ou circunstâncias, porque, afinal, “nada nos pode separar do amor de Deus” (Rm 8:38, NVI). Aprenda a levar louvor aos lugares de opressão. Talvez seja no lar, entre parentes incrédulos. No local de trabalho, onde você se sente solitário, ou no exílio de suas depressões. Outros acham difícil cantar o “cântico do Senhor” na terra estranha dos desapontamentos, das perdas e perplexidades.

Mais do que ninguém, Jesus viveu em terra estranha. Portanto, Ele recusou pendurar Sua harpa nos salgueiros do Seu exílio. Ele deve ter cantado em muitas circunstâncias da vida, mas apenas uma vez o Novo Testamento registra que Ele cantou. Sabe quando? Na noite de Sua grande prova (Mt 26:30). Lembre-se disso e anime-se.


-> Narração: Amilton Menezes


Saiba como receber as mensagens diárias do Tempo de Refletir:
-> No celular, instale o aplicativo MANAH (Android e iOS).
-> Para ver/ouvir no YouTube, inscreva-se neste Canal: YouTube.Com/AmiltonMenezes7
-> Para receber pelo WhatsApp, adicione 41 99893 2056 e mande um recadinho pedindo os áudios.

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook