WebRadio

Central de Mídia

Diferentes maneiras de orar


Gostou? Compartilhe!

TEMPO DE REFLETIR 1429 – 29 de novembro de 2017

“O publicano, estando em pé, longe, não ousava nem ainda levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, sê propício a mim, pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque todo o que se exalta, será humilhado; mas o que se humilha, será exaltado” (Lucas 18:13 e 14).

Talvez a melhor ilustração que Jesus apresentou para exemplificar a atitude correta e a incorreta na oração foi a parábola do fariseu e do publicano, encontrada em Lucas 18:9-14.

O fariseu, neste caso, era um crente superficial, aquele tipo com o qual Jesus foi bem firme em Mateus 6 e 23. Jesus nos dá um breve, mas notável perfil desse religioso afetado. Diz-nos que ele confiava em suas capacidades e realizações justas, e que desprezava os outros que não haviam alcançado sua “exaltada” condição espiritual. Ele orou, enfatizando o fato de não ser pecador como os demais, inclusive como um cobrador de impostos que, por acaso, estava também orando nas proximidades. O fariseu continuou a alistar suas devoções religiosas. Era dizimista fiel e jejuava duas vezes por semana. De modo geral, ele estava bastante satisfeito consigo.

Em contraste, Jesus descreve o cobrador de impostos como alguém que, humildemente, orava e suplicava a Deus que fosse misericordioso para com ele devido às suas muitas faltas.

É muito interessante o que Jesus tem a dizer sobre essas orações. O fariseu, disse Jesus, não orava a Deus, mas orava “consigo”. Estava apresentando uma carta de recomendação, e chamava isso de oração. Lembramo-nos do Rabi Simeão ben Jochai, que afirmava: “Se houver apenas dois homens justos no mundo, esses dois somos eu e meu filho; se houver apenas um, esse sou eu”.

O publicano, por outro lado, orava a Deus. Não apenas isso, mas era ouvido por Deus. Saiu dali justificado e perdoado, enquanto o fariseu permaneceu em seu pecaminoso orgulho, perdido, sem ao menos dar-se conta disso.

De que maneira eu oro? É a pergunta que devo fazer depois de ler essa parábola. Como devo orar? Como posso hoje melhorar minha vida de oração?


-> Música: Trio Viva Voz, ”Não deixem de orar”
-> Locução: Amilton Menezes


Saiba como receber as mensagens diárias do Tempo de Refletir:

-> No celular, instale o aplicativo MANAH (Android e iOS).

-> Para ver/ouvir no YouTube, inscreva-se neste Canal: YouTube.Com/AmiltonMenezes7

-> Para receber pelo WhatsApp, adicione 41 9507 0705 e mande um recadinho pedindo os áudios.

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook