WebRadio

Central de Mídia

A rede de pesca


Gostou? Compartilhe!

TEMPO DE REFLETIR – 17 de novembro de 2012

O Reino dos Céus é ainda como uma rede que é lançada ao mar e apanha toda sorte de peixes. Mateus 13:47

Quando eu era garoto, costumava passar muitas horas à beira-mar. Um parente possuía uma rede de pesca, e geralmente meus irmãos, todos mais velhos do que eu, organizavam expedições ao oceano para usá-la. Carregávamos a rede mar adentro em um bote a remo, lançávamos a rede dentro da água e a esticávamos, segurando bem firme cada uma das pontas. Em seguida, arrastávamos a rede de volta para a praia e aguardávamos curiosos para ver o que haveria dentro dela.

Quanto mais perto chegávamos da praia e mais a rede subia à superfície, mais empolgados ficávamos. Que coisas estranhas, retiradas do fundo do oceano, encontraríamos ali? Encontramos uma maravilhosa variedade de animais e vida vegetal. Caranguejos e peixes, camarões e polvos, criaturas pegajosas e seres muito estranhos, juntamente com areia, algas marinhas e diversos objetos. A rede apanhava tudo.

Já faz muitos anos que “pesco” pessoas em vez de peixe. A igreja do Deus vivo é como a pesca no oceano. Os cristãos não são o resultado de uma linha de produção; eles não recebem uma estampa comum que os separa do restante da humanidade. Eles são negros, mulatos e brancos; são ricos, pobres e de classe média; são trabalhadores rurais, profissionais e pessoas de negócios; são jovens, de meia-idade e idosos; são homens e mulheres. Eles vêm de todas as partes do mundo.

Precisamos preservar essa individualidade. Somos fortes coletivamente, assim como somos fortes separadamente. Alguns membros enfatizam um aspecto do viver saudável; outros ressaltam um aspecto doutrinário em especial. Essa variedade é positiva, contanto que evitemos o espírito de julgamento e estejamos unidos em realizar a tarefa que Deus nos confiou. Meus irmãos e eu costumávamos separar os peixes bons dos ruins, mas na igreja esse trabalho é designado aos anjos, não a nós (ver Mt 13:49, 50).

Em Apocalipse lemos que a palavra “águas” é utilizada para representar “povos, multidões, nações e línguas” (Ap 17:15). A rede da última mensagem de Deus está sendo arrastada por essas águas. Delas sairão o povo de Deus que habitará com Ele para sempre. Que gloriosa pesca será essa!

********************************************************************************************************************

-> Texto: William G. Johnsson, do devocional 2012 “Jesus a preciosa graça”, da Casa Publicadora Brasileira.  http://www.cpb.com.br
-> Música: Fernando Iglesias, “Desperta”
-> Narração: Amilton Menezes

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook