WebRadio

Central de Mídia

A questão do juramento


Gostou? Compartilhe!

TEMPO DE REFLETIR 1281 – 4 de julho de 2017

“Eu, porém, vos digo: de modo algum jureis; nem pelo Céu, por ser o trono de Deus; nem pela terra, por ser estrado de Seus pés; nem por Jerusalém, por ser cidade do grande Rei; nem jures pela tua cabeça, porque não podes tornar um cabelo branco ou preto” (Mateus 5:34-36).

“Não jurem de jeito nenhum” (BLH). Isso é o que Jesus disse.

Mas como conciliar isso com o Antigo Testamento? Não parece claro, à primeira vista. Na realidade, Jesus parece contradizer Moisés. “O Senhor, teu Deus, temerás, a Ele servirás, e, pelo Seu nome, jurarás”, é o que lemos em Deuteronômio 6:13. Em Salmo 50:14, lemos ainda: “Oferece a Deus sacrifício de ações de graças e cumpre os teus votos para com o Altíssimo”. Obviamente, o salmista havia feito votos a Deus com juramento.

Como podemos resolver essas aparentes contradições entre Jesus e o Antigo Testamento? Em Levítico 19:12 encontramos uma dica: “Nem jurareis falso pelo Meu nome, pois profanaríeis o nome do vosso Deus. Eu sou o Senhor”.

Desde o princípio da história de Israel como nação, um problema duplo foi enfrentado. Por um lado, a ordem positiva de Deus por meio de Moisés para jurar pelo Seu nome, intentava, indubitavelmente, abordar o problema da tentação de ser desonesto. Por outro lado, como vimos ontem, sem falar a verdade coerentemente é impossível existir uma vida social de confiança mútua. Por isso, a ordem de jurar pelo nome de Deus tinha a intenção de refrear a tendência de não ser totalmente verdadeiro, especialmente em questões sérias.

O pecado, porém, perverte todas as coisas. Consequentemente, quando algumas pessoas descobriram que podiam conseguir que a própria vontade prevalecesse ao jurar falsamente usando o nome de Deus, elas começaram a utilizar isso como instrumento de chantagem. Por isso a condenação levítica dessa prática.

Por volta do tempo de Jesus, essa questão se tornara bastante delicada, como perceberemos amanhã. Como resultado, Ele questiona até mesmo a permissão do Antigo Testamento ao explorar o significado da lei de Deus.

Podemos aprender muito de Seus ensinos sobre o assunto. Especialmente se colocarmos em prática Seu ideal positivo.


-> Música: Ministério Jovem, “Tua Palavra”
-> Locução: Amilton Menezes

Para receber pelo WhatsApp, adicione 41 9507 0705 e mande uma mensagem pedindo os áudios. Se você tem Telegram, adicione nosso canal: telegram.me/tempoderefletir – Prefira, porém, o aplicativo MANAH, onde você terá todos os áudios à disposição.

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook