WebRadio

Central de Mídia - WebRádio Maranatha

O que faz de um pai um grande pai?


Gostou? Compartilhe!

TEMPO DE REFLETIR 1321 – 13 de agosto de 2017

“Vamos fazer uma festa e alegrar-nos. Pois este meu filho estava morto e voltou à vida” (Lucas 15:23, 24).

Hoje é o Dia dos Pais, que inclui nossos avôs, tios e amigos. Antigamente era o dia no qual mais se faziam ligações a cobrar no mundo!

Pela sua própria índole, o grau e a forma como os pais demonstram afetividade aos filhos são diferentes daqueles demonstrados pelas mães. É opinião corrente que o homem nunca perde tempo pedindo informações e suas chamadas telefônicas não passam de trinta segundos. Mesmo que os filhos não tenham tudo o que desejam, devem saber que os pais procuram dar o melhor de seu tempo, o melhor de sua atenção para eles.

Para mostrar o que faz de um pai um grande pai, a Bíblia narra a história de um pai generoso. E o filho, que era pródigo, que ideia tinha do pai? A Bíblia deixa claro que, quando voltou a si, o jovem se lembrava de casa. Crescer num lar em que os pais não gritam com os filhos; em que, depois de uma conversa, ninguém se levanta e bate a porta, sem dúvida, ajuda na formação do caráter.

O pródigo se lembrou também de que seu pai era justo ao tratar com os empregados. Dava aos trabalhadores aquilo que eles mereciam. Não passava por sua mente: “É preferível ficar por aqui pela maneira de meu pai humilhar seus empregados”. O pai era um exemplo de justiça e de lealdade que ele podia imitar em qualquer momento.

Rápido em mostrar perdão, o pai fez o que era incomum naquele tempo. Normalmente, o pai esperaria que o filho se dirigisse a ele com alguma demonstração de respeito. Mas o pai não esperou! Correu em direção ao filho e o abraçou! O filho começou a confissão, mas o pai nem deixou que ele continuasse. Mandou que os empregados trouxessem o melhor traje. Perdoou-o imediatamente e não deixou nada pendente.

A imagem que temos do homem é de que ele é vagaroso para perdoar e rápido para ficar com raiva. Passamos a ideia de que homem não chora, como se não tivesse sentimento ou não se incomodasse com coisa alguma.

Precisamos lidar com os filhos como Deus lida conosco. Vamos perdoá-los totalmente, sem que fiquem esperando. A porta sempre aberta recebeu o filho pródigo. Houve abraço, houve celebração.

Mesmo que tenha que fazer uma chamada a cobrar, não deixe de agradecer hoje ao seu pai pelo carinho e força que ele lhe deu.


-> Música: Josué de Castro, “A casa do Pai”
-> Locução: Amilton Menezes

Para receber pelo WhatsApp, adicione 41 9507 0705 e mande uma mensagem pedindo os áudios. Se você tem Telegram, adicione nosso canal: telegram.me/tempoderefletir – Prefira, porém, o aplicativo MANAH, onde você terá todos os áudios à disposição.

Gostou? Compartilhe!

Comentários Via Facebook